PousoAlegrenet

Menu

Mexicano cego cruza continente e se acidenta em Pouso Alegre

Depois de cruzar seis países entre as Américas, mexicano com deficiência visual encerrou sua jornada ao ser atropelado na Fernão Dias. Assistentes sociais da Prefeitura contataram diplomacia mexicana e ajudaram no repatriamento

O sistema de acolhimento de moradores de rua de Pouso Alegre ajudou um mexicano que foi atropelado na BR-381 a retornar ao seu país. O jovem Abraham Taxilaga desembarcou na segunda-feira (31) em sua terra natal. O retorno foi possível graças à atuação da equipe de assistentes sociais da Prefeitura, que acolheram o mexicano e fizeram contato com o consulado do país. Abraham deixou Pouso Alegre no último sábado (29) ao lado do cônsul do México no Rio de Janeiro, Juan Pereda. O encontro foi realizado no Centro de Referência Especializado à População em Situação de Rua, o Centro POP.

Abraham Taxilaga (na cadeira de rodas) com assistente social, cônsul e vice-cônsul do México. Foto: Divulgação Ascom PMPA

Abraham Taxilaga (na cadeira de rodas) com assistente social, cônsul e vice-cônsul do México. Foto: Divulgação Ascom PMPA

O jovem de 20 anos deixou Catemaco, no estado de Veracruz, no México, no dia 22 de janeiro. Desde então, cruzou as Américas, passando por pelo menos seis países até chegar a Pouso Alegre no final de março. Não se sabe ao certo como ele conseguiu vencer os quase 7 mil quilômetros que o separavam do Sul de Minas Gerais. Abraham é completamente cego e deixou a casa dos país sem se despedir. Sua jornada foi interrompida na Rodovia Fernão Dias, onde foi atropelado por um automóvel. Fraturou braço, perna e sofreu escoriações pela face.

Encaminhado para atendimento no Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL), recuperou-se em poucos dias. Foi então que entrou em cena os profissionais da Secretaria de Desenvolvimento Social. Ainda no centro médico, Taxilaga foi identificado. Teve início a operação para repatria-lo.

“Nós atendemos inúmeros casos de pessoas que viajam aparentemente sem destino e acabaram se acidentando. Mas foi a primeira vez que precisamos fazer um trabalho de repatriamento”, conta a chefe da pasta de Desenvolvimento Social, Maria Tereza.

No Centro POP, foram realizados os procedimentos finais para o seu translado. Enquanto autoridades mexicanas e a família do jovem eram contatados, Abraham passou três noites no Albergue Municipal.

“Casos como o de Taxilaga ganham evidência por conta da história de aventuras que formam o pano de fundo da sua trajetória até o município, mas atendemos inúmeros outros casos no nosso dia-a-dia. São pessoas vindas de cidades próximas e do interior de São Paulo. O protocolo de atendimento é o mesmo”, esclarece Maria Tereza.

O mexicano deu várias explicações para a viagem inusitada. Abraham pretendia conseguir um emprego no país. Para atingir o objetivo, seguia para Belo Horizonte, quando foi atropelado na última semana. A outra explicação que deu foi a busca por um tratamento para sua cegueira. Pretendia obtê-lo em Cuba, mas, segundo ele, não conseguiu ser atendido naquele país. Apesar das versões apresentadas pelo jovem, o objetivo da Secretaria de Desenvolvimento Social foi sempre o de repatria-lo.

“Assim que fizemos contato com o serviço diplomático de seu país, soubemos que sua família estava desesperada à sua procura”, conta Maria Tereza.

Abraham passou por Cuba, Colômbia, Peru, Bolívia, Argentina e Paraguai.

Centro POP

A recepção do mexicano pelo município provou a eficiência da estrutura de acolhimento e proteção social da cidade, com destaque para o recém-instalado Centro POP. O prédio funciona como um espaço de convívio grupal, com a missão de proporcionar à população de rua um lugar aconchegante, onde eles podem trocar experiências e recebem atendimentos especializados. Do centro de acolhimento, ainda é possível encaminhá-los para cursos profissionalizantes.

O imóvel possui uma recepção para acolhida inicial, sala para atividades referentes à coordenação, reunião de equipe e atividades administrativas, sala de atendimento individualizado, familiar ou em pequenos grupos, salas para atividades coletivas com os usuários, socialização e convívio, copa e cozinha, banheiros com adaptação para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, refeitório, lavanderia, guarda de pertences com armários individualizados.

Fonte: Ascom Prefeitura de Pouso Alegre

Deixe um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.