PousoAlegrenet

Menu

Vereadores cobram prefeitura, e Tutty afirma: não voto mais projeto do executivo até que seja solucionado

Problema se arrasta há semanas, e prefeitura não apresentou solução. Vereadores da base aliada foram os que mais cobraram o executivo por solução na sessão.

O corte do passe livre a acompanhantes de deficientes pela concessionária de transporte Público de Pouso Alegre, , continua a ser tema de cobrança na Câmara Municipal. Na sessão desta terça-feira (26), a mãe de um estudante da APAE, usou a tribuna para solicitar um apoio mais efetivo de todos os Parlamentares. Em seus discursos, alguns vereadores que compõem a base aliada do executivo na Câmara aumentaram o tom de cobrança em cima do executivo.

O vereador foi um dos que cobrou o executivo:

A prefeitura precisa resolver isto rápido. É uma obrigação moral desta empresa (). Se não esta no contrato, precisamos incluir no contrato. Se existe o pré-projeto, esperamos o pré-projeto.

Tutty: Não voto projeto do executivo até uma solução deste problema.

Tutty: Não voto projeto do executivo até uma solução deste problema.

A cobrança mudou de tom no discurso do Vereador Mauricio Tutty, que há semanas vem cobrando uma solução. Apesar de acusar a de fazer chantagem pelo não aumento da tarifa, o vereador voltou a pressionar a administração e ameaçou abster-se de votações em favor do Executivo.

“A Priscila esteve aqui falando em nome dos que mais precisam: os deficientes que, há alguns meses, começaram a ter suas carteirinhas cortadas. Nós interferimos e, até o momento, não veio solução. Liderança do prefeito: o projeto foi enviado há mais de um mês. Por que a empresa não cortou da PM, de servidores do judiciário, por que cortou logo dos que mais precisam? Para fazer pressão. Para fazer chantagem com o prefeito e ele tem a responsabilidade de buscar solução. Até a próxima terça se não tivermos resposta, eu não voto nenhum projeto em favor do Executivo”, ameaçou .

Sem lei municipal que regule o beneficio, a cortou passe livre para acompanhantes. Agora, o deficiente que precisa de companhia para andar pela cidade, também precisa que o acompanhante pague a tarifa. O problema se arrasta há semanas, mas a prefeitura não apresentou solução na Câmara até o momento.

Deixe um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.