PousoAlegrenet

Menu

Aluguel caro e aumento da oferta ‘empacam’ imóveis em Pouso Alegre

Moradores reclamam que valores de aluguel não são compatíveis com média salarial na cidade. Com aumento da oferta, imóveis para locação estão parados nas imobiliárias.

Com aumento da oferta, imóveis para locação estão parados nas imobiliárias

Com aumento da oferta, imóveis para locação estão parados nas imobiliárias

O setor de imóveis para locação em Pouso Alegre vive um momento de estagnação. Imóveis de dois quartos, sala, cozinha, banheiro e garagem estão parados há meses nas imobiliárias. O motivo se deve a três fatores: o aumento de oferta muito superior à demanda; Valores de aluguel incompatíveis com a média salarial da cidade; Facilidade de crédito para financiamento da casa própria.

Para o delegado do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Minas Gerais em Pouso Alegre, José Tadeu Pereira de Carvalho, da Tadeu Imóveis, a locação está sentindo a saída de um grande número de pessoas do aluguel para financiar a casa própria, e do grande número de empreendimentos na cidade:

“Hoje você tem um grande número de imóveis sendo colocado no mercado para locação, porque um grande número de pessoas deixaram de pagar aluguel por ter entrado em programas do governo. Com um taxa de juros mais convincente, com ofertas melhores, as pessoas correram e saíram do aluguel. Eles foram para o imóvel deles pagando um valor menor do que o aluguel e começaram a desocupar os imóveis, que foram vagando cada dia mais. Como o número de empreendimentos na cidade cresceu demais, a locação sentiu rapidamente, porquê houve uma grande oferta de imóveis em um período muito curto. Esta grande oferta gira em torno deste produto: imóveis de 2 quartos, sala, cozinha, banheiro e garagem”, explica José Tadeu.

Em junho, 700 famílias invadiram dois terrenos no cidade jardim alegando não terem condições de pagar aluguel. Imagem: Reprodução EPTV

Em junho, 700 famílias invadiram dois terrenos no cidade jardim alegando não terem condições de pagar aluguel. Imagem: Reprodução EPTV

Mesmo sobrando imóveis para locação, como explicar que a cidade tenha um déficit habitacional de 7 mil moradias, segundo a prefeitura de Pouso Alegre?

Segundo o consultor imobiliário, Tadeu Fernandes de Oliveira, da Correta Empreendimentos, as vendas de imóveis em 2013 e 2014 foram grandes. Mas o consultor avisa, os valores dos imóveis ficaram fora dos parâmetros:

“O que vejo em especial em Pouso Alegre são as pessoas buscando uma solução para sair do aluguel e ter sua casa própria, embora toda a dificuldade que exista, pois consideramos a renda per capita de Pouso Alegre baixa. E o valor dos imóveis em Pouso Alegre está fora dos parâmetros.”, afirma Tadeu de Oliveira.

A baixa renda do trabalhador é confirmada pela especialista em recrutamento e seleção, Jayne Cândida Ferreira, da União RH. “O que vemos aqui é que o salário médio da classe trabalhadora na cidade gira em torno de R$ 800 a R$ 850”, afirma Jayne. O valor é menor do que a renda per capita da cidade, R$ 878, segundo o CENSO.

Com este valor, um casal de trabalhadores que quisesse alugar um apartamento com 2 quartos, sala, cozinha e garagem, teria que comprometer mais de 50 % da sua renda familiar com o aluguel. Segundo o consultor financeiro, Thiago Monteiro, da Contábil São Thiago, o valor comprometido com aluguel não deve passar mais de 30% da renda familiar.

“Um valor de aluguel que corresponda a mais de 30% da renda familiar indica uma situação de vulnerabilidade, na medida em que os gastos com moradia estarão comprimindo a renda disponível para satisfazer outras necessidades.

Com a inflação disparando, o correto é diminuir gastos com aluguel, afirma consultor.

Com a inflação disparando, o correto é diminuir gastos com aluguel, afirma consultor.

A inflação é outro vilão que encolhe a capacidade do trabalhador em assumir um aluguel. Segundo pesquisa recente da FAI, em Pouso Alegre a inflação apresenta aumento duas vezes maior do que a média nacional, e do que nas grandes capitais, como São Paulo. Para o consultor, com a inflação subindo rapidamente, torna-se necessário pensar a frente antes de assumir a dívida de um aluguel.

“Antes de alugar, deve-se ainda levar em conta que o alto gasto com aluguel acaba interferindo na alimentação familiar, que tem um custo muito grande no Brasil, principalmente em época de inflação”, afirma Thiago.

Deixe um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.