PousoAlegrenet

Menu

Inezita Barroso deixou sua marca em Pouso Alegre

Por três anos, ainda na década de 80, Inezita Barroso deu aula no Conservatório. Ele sempre será lembrada na instituição por ser uma verdadeira enciclopédia do folclore.

Inezita foi professora durante três anos de Folclore e de Música Popular Brasileira, no Conservatório Estadual de Pouso Alegre.

Inezita foi professora durante três anos de Folclore e de Música Popular Brasileira, no Conservatório Estadual de Pouso Alegre.

A morte de Inezita Barroso, aos 90 anos, no último domingo (8), foi lamentada em todo o Brasil. Em Pouso Alegre, Inezita deixou grande contribuição na formação de centenas de alunos. Ela foi professora de Folclore e de Música Popular Brasileira no Conservatório Estadual de Pouso Alegre JKO, na década de 1980.A artista é considerada uma das maiores personalidades da música brasileira.

Por três anos, ainda na década de 80, Inezita Barroso deu aula no Conservatório. Ele sempre será lembrada na instituição por ser uma verdadeira enciclopédia do folclore. Sabia milhares de canções de todos os gêneros de cor, e era capaz de dar um show empolgante só com o violão. Foi uma professora de folclore musical inigualável. O músico Raimundo Andrade, uma das grandes expressões da música regional em Minas, foi um dos centenas de alunos de Inezita no Conservatório Estadual de Musica JKO.

BIOGRAFIA

Ignez Magdalena Aranha de Lima nasceu em 4 de março de 1925, em São Paulo. Ela começou a cantar aos sete anos e, aos onze, passou a estudar piano. A carreira ganhou força já durante os anos 40, quando cantava músicas folclóricas compiladas por Mário de Andrade, na Rádio Clube do Recife. Em 1950, começou a atuar na Rádio Bandeirantes. O primeiro disco veio em 1951, com músicas como “Funeral de um Rei Nagô” e “Curupira”. Mas foi dois anos depois que vieram dois de seus maiores sucessos. Ela gravou “Marvada pinga”, de Cunha Jr; e “Ronda”, de Paulo Vanzolini.

Em 1954, passou a apresentar programas sobre folclore. O ano de 1958 foi o da gravação de “Lampião de gás”. Ao todo, lançou 80 discos, com mais de 900 músicas. Inezita estreou como atriz no filme “Angela”, de Tom Payne e Abílio Pereira de Almeida, em 1950. Três anos depois, participou dos filmes “Destino em apuros”, de Ernesto Remani; e “Mulher de verdade”, de Alberto Cavalcanti. Esteve também em “É proibido beijar”, de Ugo Lombardi e “O craque”, de José Carlos Burle. Outra produção em sua filmografia foi “Carnaval em lá maior”, de Adhemar Gonzaga.Além da música e das artes cênicas, Inezita se graduou em Biblioteconomia e, de 1982 a 1996, deu aulas de Folclore na Universidade de Mogi das Cruzes. A partir de 1983, ela se tornou professora na Faculdade Capital de São Paulo. Em 1956, publicou o livro “Roteiro de um violão”. Ela continuou gravando programas de TV e lançando músicas. Para as novas gerações, era mais conhecida como a apresentadora do programa “Viola, minha viola”, no ar na TV Cultura desde 1980. Os primeiros apresentadores foram Moraes Sarmento e Nonô Basílio, mas logo ela começou a participar. Depois, passou a apresentar sozinha.

Inezita foi sepultada no Cemitério Gethsêmani, no Bairro do Morumbi, Zona Sul de SP.

Deixe um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.