PousoAlegrenet

Menu

Um meio ambiente que ficou pela metade

Por Mauricio de Sousa (desenhista) e Édison Carlos (presidente do Instituto Trata Brasil)

Mauricio de Souza

Mauricio de Souza

“Passei minha infância no interior de São Paulo. Vivi um contato intenso com a natureza. Brincávamos na rua entre árvores, rios, lagos, prados. Isso foi fundamental para arejar minha cabeça e sentir que precisamos valorizar os presentes que recebemos da natureza. Hoje as cidades invadem com seu concreto esse espaço. Faz parte do que chamamos de progresso, mas não pode ser feito sem muito planejamento ou agredimos de forma irracional e sem controle o que é nossa casa. O saneamento básico, por exemplo, é necessário nas cidades e pode ajudar muito na qualidade de vida. Vamos pensar um pouco sobre esse dia do meio ambiente e que todas as crianças não esperem crescer para agirem pela natureza. Podem já conversar com seus pais, parentes e amigos pedindo que preservem o que recebemos perfeito. A Mônica e sua turma agradecem!”.

Esse singelo depoimento foi escrito recentemente pelo desenhista Mauricio de Sousa, figura ímpar na cultura brasileira e responsável por tantas histórias que enriqueceram nossa infância e que até hoje divertem adultos e crianças. Mauricio conta de sua infância e da convivência com um meio ambiente que, infelizmente, não existe mais em grande parte dos municípios do país.

Nossa falta de atenção com as áreas rurais e de planejamento nas cidades fez com que, em nome de um pseudocrescimento, conseguíssemos matar nossa “galinha dos ovos de ouro” – a natureza. Milhões de brasileiros migraram do campo para as áreas urbanas sem que essas estivessem preparadas para receber as demandas de tamanha população. Não havia casas para todos, ruas para todos, água para todos, muito menos serviços de esgotos para todos. E assim ampliamos as cidades e suas mazelas. Cresceram as áreas nobres, mas também as periferias… e como não houve planejamento, desmatamos florestas, construímos estradas nas margens dos rios, transformamos os cursos d´água em diluidores de esgotos.

Talvez nada explique melhor o descaso com a preservação das águas e com o crescimento das cidades do que a atual falta de saneamento. Apesar de ser “básico”, esses serviços ficaram pelo caminho. De acordo com os indicadores oficiais do Ministério das Cidades (ano 2013), o Brasil tem ainda cerca de 35 milhões de cidadãos sem acesso à água potável, mais de 100 milhões sem coleta de esgoto e somente 39% dos esgotos do país são tratados. As perdas de água potável nas redes de distribuição continuam na incrível marca dos 37%, um absurdo no atual cenário de escassez hídrica.

Temos que repensar a forma com que lidamos com as cidades e com o campo. O cidadão precisa se envolver mais nessa luta por um ambiente melhor, pois a degradação ambiental volta a nós na forma de problemas diversos, seja na saúde, na educação, no trabalho, no lazer. Todas as esferas de poder também precisam fazer mais, se pensarmos em resolver a questão do saneamento em 20 anos, como quer o Governo Federal. Em 2013, o país conseguiu investir pouco mais de R$ 10 bilhões em saneamento, quando precisamos ao menos R$ 16 bilhões por ano se quisermos ter saneamento para todos em duas décadas. Precisamos ter mais recursos, mas, sobretudo, melhorar a gestão e a eficiência dos serviços.

Governadores precisam ajudar na articulação dos municípios, principalmente médios e pequenos, para que atuem em conjunto e por bacia hidrográfica, ganhando escala, reduzindo custos e aumentando a eficiência. Os recursos federais e estaduais precisam ser maiores e estar condicionados ao cumprimento de indicadores e metas de melhoria contínua, estimular novas formas de governança em que a sociedade participe. A despoluição do Rio Tietê e da Baía de Guanabara são exemplos claros de projetos que necessitam novas formas de governança onde autoridades, sociedade civil e municípios sentem na mesma mesa e estabeleçam metas claras e atingíveis, senão estão fadados a postergações infinitas.

Se quisermos um dia ver aquele meio ambiente descrito inicialmente pelo nosso querido Mauricio de Sousa, temos que fazer muito mais. Cobrar muito mais, reivindicar muito mais. Novas eleições se aproximam e não podemos perder mais esta oportunidade de pedir cuidado e responsabilidade com nossas águas.

Mauricio finaliza: “Estamos junto com o Instituto Trata Brasil para que o país tenha uma rede de água e esgoto de bom nível para combater doenças e preservar a sustentabilidade de nosso planeta. Não haverá futuro sem isso!”

Deixe um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.