PousoAlegrenet

Menu

Instituições fazem alerta sobre riscos de liberação das vans em Pouso Alegre

Para elas, revogação da proibição das vans poderá “instalar um caos na cidade”, além de colocar em risco empregos e benefícios a sociedade

Vans trabalhando de forma clandestina em Pouso Alegre (Foto: Reprodução EPTV/ Edson de Oliveira)

Vans trabalhando de forma clandestina em Pouso Alegre (Foto: Reprodução EPTV/ Edson de Oliveira)

Diversas federações e entidades se posicionaram contrárias, ou fizeram alertas, a revogação da lei que proibia o transporte de passageiros com vans em Pouso Alegre. As posições foram oficializadas via oficio protocolados na Câmara Municipal na semana passada, antes da votação.

A FETRAN (Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de Minas Gerais) protocolou oficio (link) onde diz que com a revogação, poderá “se instalar um caos na cidade, tanto no que tange à ação desordenada pelos condutores de vans, quanto pelo desequilíbrio financeiro que provocará no transporte público”.

Já o SEST/SENAT (Serviço Nacional do Transporte/Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte), informou que existe uma resolução do Contran que proíbe o serviço sem que haja a capacitação de condutores de veículos de passageiros. Em seu oficio (link), a empresa também ressaltou a importância e qualidade dos serviços da Princesa do Sul.

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Passageiros de Pouso Alegre, disse em seu oficio (link) que a revogação “colocará em risco os mais de 240 empregos diretos, sem contar os indiretos, além de prejudicar um universo de mais de 700 pessoas que dependem dos salários e empregos gerados” pela Princesa do Sul.

A Associação dos Aposentados e Pensionistas de Pouso Alegre também pediu via oficio (link) que a revogação não fosse aprovada. “A operação tornaria um caos o transporte de nossa cidade, lembrando também que as vans não concordam em transportar gratuitamente idosos com mais de 65 anos”, disse no oficio.

A empresa Princesa do Sul também protocolou uma serie de ofícios sobre o tema. No oficio, a empresa comenta sobre a situação das vans na cidade de São Paulo e fala sobre que acontecerá no município caso a lei seja revogada.

Votação é adiada para discussão

O projeto de revogação da lei iria entrar em votação na terça-feira (21), mas acabou retirado de pauta depois de um pedido de vistas acatado pelos vereadores. Hamilton Magalhães (PTB) justificou seu pedido: “Acreditamos que é uma matéria que necessita ser melhor debatida. E é fundamental que fique claro que ela não libera a utilização de vans”.

Do outro lado, o vereador Hélio da Van (REDE) criticou o adiamento da votação: “É uma pena que os vereadores tenham optado por arrastar essa decisão. Temos uma demanda urgente da população para a qual precisamos dar uma resposta também urgente” disse.

O projeto deve ser novamente tema de debate na sessão desta terça-feira (28), podendo ir a votação na terça-feira (5 de julho).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.