PousoAlegrenet

Menu

Policiais Militares de Pouso Alegre fazem homenagem a militar morto por assaltantes

As 11 horas da manhã todas as viaturas da polícia militar foram paradas e as sirenes acionadas por um minuto. Associação dos militares pede que leis sejam revistas

Cabo Marcos Marques da Silva, de 37 anos, foi morto por assaltantes

Policiais Militares de Pouso Alegre realizaram nesta terça-feira (11) uma homenagem ao cabo Marcos Marques da Silva, de 37 anos, morto na manhã da segunda-feira (10) em uma tentativa de assalto a agências bancárias em Santa Margarida (MG). As 11 horas da manhã todas as viaturas da polícia militar foram paradas e as sirenes acionadas por um minuto. Veja no vídeo a abaixo.

O corpo do militar foi enterrado nesta terça, em Manhuaçu, na Zona da Mata. Um suspeito de participar dos crimes continua sendo procurado pela PM.

Leis precisam ser revistas

Diretor regional da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares de MG, Anderson Soares Silveira, pede que as leis sejam revistas (Imagem: Arquivo EPTV)

Para o Diretor regional da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares de Minas Gerais, Anderson Soares Silveira, é necessário que as leis sejam revistas: “Nossas leis precisam ser revistas. Precisa de uma mudança urgente no código penal, de uma maneira que esses crimes graves, como explosão de caixa eletrônico sejam revistos. Hoje uma explosão de caixa eletrônico, se o autor for pego ele responde apenas por furto qualificado. Pena mínima. Partindo do pressuposto de que ao utiliza de material explosivo, material controlado pelo exercito, indiretamente ele está cometendo basicamente um atentado terrorista”.

Silveira explica que esse tipo de crime atenta contra a vida de terceiros: “Digamos uma agência bancária que fica abaixo de uma residência. Ele não sabe medir a quantidade de dinamite, e acaba explodindo o prédio todo, colocando em risco outras pessoas. Tem que ser revista essas questões, pois quem comete esse tipo de crime esta cometendo um atentado terrorista, está atentando contra a vida de terceiros. Precisa de uma criminalização desses infratores que utilizam desses materiais bélicos e armamentos de guerra para estar cometendo esses crimes conta a sociedade em modo geral”.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.