PousoAlegrenet

Menu

PM divulga motivos da reprovação do Manduzão após críticas do PAFC

PM diz que seguiu os critérios da FMF, que problemas são antigos, e que não trabalha com expectativas. PAFC diz que faltou bom senso, chamou decisão de arbitrária, e que vai recorrer

A Polícia Militar divulgou no final da tarde desta quinta-feira (2) uma nota com os motivos da reprovação do Manduzão para receber torcedores no jogo deste sábado (4), que marca o retorno do Pouso Alegre Futebol Clube aos gramados. A reprovação foi criticada abertamente pelo clube e deixou muitos torcedores frustrados.

Na nota, disponível na integra ao final da matéria, a PM informou que seguiu os critérios impostos pela Federação Mineira de Futebol, e que os mesmos problemas apontados no atual laudo de vistoria já haviam sido identificados em 2016 e 2017, quando o Tricordiano tentou trazer seus jogos para o Manduzão.

Ainda na nota, a PM relacionou alguns itens que reprovaram o Manduzão. Entre eles: Divisão de torcidas; controle e organização dos acessos; isolamento dos locais destinados à equipe de arbitragem e aos atletas; restos de entulhos que podem ser arremessados; pontas de arame solta; inundação dos túneis de acesso dos vestiários ao campo; dentro outras. A PM também divulgou fotos da situação encontrada durante a vistoria.

A PM disse ter sido informada que o estádio estaria pronto para a partida de estreia do PAFC, mas que por força de lei, tem que trabalhar com a situação concreta do local vistoriado, e não com expectativas. “Não há como se aprovar algo que ainda não está pronto, ou algum item que nem existe”, disse a PM.

PAFC diz que faltou bom senso, e que vai recorrer da decisão

Em entrevista concedida a imprensa, o presidente do Pouso Alegre Futebol Clube, Paulo da Pinta, chamou a decisão de arbitrária, e disse que tomará as medidas cabíveis para ter o estádio liberado para o jogo deste sábado (4). Ele criticou o fato de o estádio ter sido liberado em outros momentos para eventos de outros esportes e shows. Para ele, faltou bom senso.

O jogo era aguardado com muita expectativa pela torcida da cidade, já que o Clube ficou quase uma década longe dos gramados, e nunca chegou a jogar no Manduzão.

O estádio é municipal, mas é o clube que tem realizado as reformas e procurado obter os laudos. Segundo o PAFC, no acordo envolvendo a venda do Campo da Lema, a prefeitura deveria entregar o Manduzão em condições e liberado para o time mandar seus jogos oficiais.

Nota completa da Polícia Militar

NOTA OFICIAL

A Polícia Militar de Minas Gerais, por intermédio do Comando da 17ª Região da Polícia Militar, vem a público esclarecer questionamentos sobre o laudo de vistoria emitido em 1º de Agosto de 2018 para realização de partidas de futebol profissional do Pouso Alegre Futebol Clube (PAFC) no Estádio Irmão Gino Maria Rossi (Manduzão).

É oportuno esclarecer que o laudo de segurança atende a uma metodologia própria, com critérios objetivos para aprovação ou reprovação do estádio para jogos de futebol profissional impostos pela Federação Mineira de Futebol, previstos na Lei nº 10.671, de 15 de maio de 2003 (Estatuto do Torcedor) e demais normas correlatas. Ressalta-se que a realização de partidas de futebol profissional exige a observância de regras, dando sentido de organização e favorecendo a segurança do público em geral e profissionais envolvidos.

Numa retrospectiva histórica, cabe salientar que em 2016 e 2017 já haviam sido identificados os mesmos problemas apontados no atual laudo de vistoria. Com o ingresso do PAFC em competições profissionais tornam-se prementes que as exigências previstas no formulário de vistoria da Federação Mineira de Futebol (FMF) em relação aos aspectos de segurança dos torcedores, atletas, árbitros, profissionais de imprensa, integrantes da FMF e autoridades responsáveis pela segurança e organização das partidas estejam solucionadas.

Nas duas vistorias realizadas este ano, em nenhuma delas o estádio estava preparado para a realização de eventos esportivos profissionais. Foi possível observar que o estádio passa por obras de melhorias. Sendo informado que para a partida de estreia do PAFC, o estádio estaria pronto. A Polícia Militar não trabalha com expectativas, por força de lei, trabalha com a realidade e a situação concreta do local a ser vistoriado. Não há como se aprovar algo que ainda não está pronto, ou algum item que nem existe.

Devem ser solucionadas as exigências previstas no formulário de vistoria da FMF, tais como: divisão de torcidas; controle e organização dos acessos; isolamento dos locais destinados à equipe de arbitragem e aos atletas; retirada de entulhos e restos de materiais de construção espalhados pelo estádio que possam ser arremessados contra pessoas; arrumar o alambrado do campo que apresenta remendos e pontas de arame soltas; inundação dos túneis de acesso dos vestiários ao campo; dentre outras. Todos estes aspectos apontados são elementos que reprovam a realização de partidas de futebol profissional no estádio com presença de torcedores.

É necessário que se frise que o Estádio possui capacidade para 20000 torcedores (Adultos, idosos, crianças, Portadores de Necessidades Especiais, etc), divididos em duas torcidas, acomodados num mesmo espaço sob as emoções que o futebol desperta nas pessoas. Uma quantidade expressiva de pessoas que deve ser acolhida com planejamento eficiente e perfeitas condições de conforto, higiene e segurança. Não pode haver margem para amadorismo, improvisações que coloquem em risco a segurança do Torcedor, dos atletas, arbitragem e demais envolvidos na partida.

Caberia à Direção do PAFC resolver todas as pendências apresentadas anteriormente antes de solicitar nova vistoria, haja vista que não houve solução de todos os problemas anteriormente apresentados.
Reafirmamos o empenho da Polícia Militar com a segurança de todos os envolvidos na realização de partidas de futebol profissional e asseveramos nosso compromisso moral e ético no cumprimento da legislação e com a transparência das medidas adotadas em benefício da população, visando a sua segurança.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL DA 17ª RPM