PousoAlegrenet

Menu

‘Extremamente frio. Não demonstra arrependimento’, diz polícia sobre homem que esquartejou mulher e enteada

Segundo polícia, o homem confessou o crime, e chegou até a brincar com os fatos. Suspeito tem três passagens por embriaguez ao volante

Luiz Carlos Martins, de 47 anos, confessou o crime (Foto: Redes Sociais)

Uma pessoa fria, que não demostrou arrependimento ou esboçou emoção. Essa foi a impressão que a Polícia teve do produtor rural Luiz Carlos Martins, de 47 anos, que matou e esquartejou a mulher e a enteada em Silvianópolis.

Segundo o delegado Rodrigo Bartolli, Luiz narrou o caso com naturalidade: “Nos pareceu uma pessoa extremamente fria, em momento algum mostrou arrependimento, narrou tudo com a maior naturalidade e tranquilidade. Foi ele quem escavou para retirar a criança, e em momento algum esboçou qualquer tipo de emoção”, contou o delegado.

Perita e delegado do caso falara com a imprensa (Foto: PousoAlegrenet)

Segundo a perita Tatiane Matos, Luiz chegou a até brincar com os fatos. “Ele não mostrou arrependimento momento algum. Ele relava os fatos com riqueza de detalhes. E às vezes brincava com os fatos. Em momento algum ele mostrou qualquer tipo de sentimento pela menina ou pela mãe dela”.

Para a Tatiane, o fato de ele ter trabalhado o dia inteiro com o corpo ainda na casa mostra ainda mais a frieza dele: “Ele matou as duas, levou para o porão, pegou a menina depois de te-la cortado, a levou para a roça [onde jogou na fossa], trabalhou o dia inteiro, e quatro horas da tarde voltou a residência, passou a esquartejar o corpo da mãe, e dai dispensou o corpo da mãe, e no dia seguinte limpou a casa inteira”, contou a perita.

A falta de afetividade com a criança também foi percebida pelo delegado: “Com a menina ele fala muito pouco. Inclusive ele chama ela até de menina, não chama pelo nome de Bruna. Já demonstra um pouco essa falta de afetividade”, disse Bartolli.

Luiz tentou justificar o crime. Segundo o delegado, ele disse que Francisleide chegou a ameaçar ele de morte: “Segundo ele, ela tinha um temperamento difícil, e que eles brigavam muito, e que ela chegou a ameaçar ele de morte algumas vezes. Mas isso infelizmente não há a possibilidade de ser apurado, a não ser que uma testemunha declare isso”, contou o delegado.

Luiz Carlos tinha três passagens por embriaguez ao volante. Ele foi levado para o presídio da cidade.

Veja parte da coletiva de imprensa: