PousoAlegrenet Logo PousoAlegre.net

Menu
PróximoAnterior

Sul de Minas tem duas barragens de lixo nuclear sem garantia de segurança da ANM

Ao todo são 45 cadastradas na Fundação Estadual do Meio Ambiente; Barragens em Caldas tem área de cem Maracanãs e acumulam resídios de lixo nuclear de extinta mina de urânio

PróximoAnterior
Barragens da INB em Caldas acumulam lixo nuclear (Foto: Reprodução arquivo Jornal Nacional)

Um relatório da Agência Nacional de Mineração (ANM) apontou que duas barragens em Caldas – a 82 km de Pouso Alegre (MG) – não possuem garantia de segurança do órgão.

O caso foi matéria da EPTV Sul de Minas, que levantou a situação das barragens na região cadastradas na Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM). Ao todo são 45 em sete cidades: Poços de Caldas (17), Guaranésia (6), Nazareno (6), Passos (6), São Tiago (6), Fortaleza de Minas (2) e Caldas (2).

Barragens da INB em Caldas acumulam lixo nuclear (Foto: Reprodução arquivo Jornal Nacional)

Essas barragens passam por auditoria da ANM, que determina se elas estão em situação estável ou não. Nas de Caldas, foi atestado falta de dados e documentos técnicos.

PróximoAnterior

As barragens em Caldas são de responsabilidade das Indústrias Nucleares do Brasil (INB) – empresa de economia mista, que sofre controle finalístico do Ministério da Ciência e Tecnologia. A empresa disse que toda área de sua responsabilidade não oferece riscos ao trabalhador, ao meio ambiente e às comunidades vizinhas.

Unidade de tratamento mineral da INB em Caldas (Foto: Divulgação INB)

Exploração das minas pela INB em Caldas terminou em 1995, mas o terreno não foi descontaminado. A área – do tamanho de cem Maracanãs – acumula resídios de lixo nuclear.

Em 2017, o Jornal Nacional mostrou a preocupação de moradores e ambientalistas. Segundo a empresa, depois disso, foi contratada a consultoria da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) para fazer uma análise de dados da barragem de rejeitos, inclusive sobre a estabilidade.

Unidade de tratamento mineral da INB em Caldas (Foto: Divulgação INB)

O laudo da UFOP constatou a necessidade de desativação do sistema extravasor – captação da água do reservatório até a estação de tratamento – para construção de um novo. Segundo a empresa, o serviço foi contratado em caráter emergencial em dezembro de 2018 e o término das obras está previsto para junho de 2019.

A Indústrias Nucleares do Brasil (INB) é uma empresa brasileira de economia mista, vinculada à Comissão Nacional de Energia Nuclear – (CNEN) e sofre controle finalístico do Ministério da Ciência e Tecnologia.

Barragens da INB em Caldas acumulam lixo nuclear (Foto: Reprodução arquivo Jornal Nacional)