PousoAlegrenet

Menu

Vacina chinesa da Covid-19 chega a Minas ainda nesta semana para testes

Doses da Sinovac devem ser aplicadas em 800 voluntários da área da saúde no estado. Se os testes tiveram sucesso, Instituto Butantan deve passar a fabricar o imunizante em 2021

Profissional mostra uma das doses que começaram a ser testadas em São Paulo na semana passada (foto: Instituto Butantan/Divulgação)

A tão esperada vacina contra o coronavírus chega a Belo Horizonte nesta semana. A garantia foi dada pelo Instituto Butantan, que enviou as doses da Coronavac, da farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, aos 12 centros do Brasil habilitados. Em solo mineiro, a responsável por esse processo é a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O imunizante é produzido pela farmacêutica Sinovac e está na terceira fase de ensaios clínicos. Segundo o instituto, as 20 mil doses que serão distribuídas em 12 centros de pesquisa chegaram ao país no último dia 20.

Nesta terça-feira, a assessoria de imprensa do instituto informou ao Estado de Minas, os testes começaram no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), na capital. A partir desses primeiros testes, será definido o protocolo para os demais centros.

Em Minas Gerais, os testes serão realizados pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Em 16 de julho, a instituição começou as inscrições para selecionar 800 voluntários da área da saúde para receberem as doses. Até então, a expectativa era que as aplicações começassem na semana passada. O Estado de Minas entrou em contato com a universidade por e-mail e aguarda resposta.

O Instituto Butantan, em parceria com o governo do estado de São Paulo, também lançaram uma plataforma para selecionar voluntários a nível nacional. Segundo a assessoria do Butantan, as inscrições ainda estão disponíveis pela internet e, se uma pessoa atende aos critérios, ela recebe a indicação de qual centro de pesquisa deve procurar, de acordo com o local onde reside. Em todo o país é necessário que o voluntário seja profissional da saúde que esteja atendendo a pacientes com a COVID-19.

Ainda segundo o Instituto Butantan, uma comissão de pesquisadores internacionais vai acompanhar o andamento de todos os testes. Se houver sucesso, a vacina será produzida no instituto já no ano que vem.