PousoAlegrenet Logo PousoAlegre.net

Menu 11 anos
PróximoAnterior

Polícia Civil faz mutirão para coleta de DNA de familiares de pessoas desaparecidas em Pouso Alegre

Ação visa fazer mapeamento genético de parentes para rede integrada e atingir maior número de pessoas

PróximoAnterior
Foto: Google

A Polícia Civil iniciou na segunda-feira (14) um mutirão em Pouso Alegre para coletar o DNA de familiares de pessoas desaparecidas. O mutirão vai até a sexta-feira (18), mas a coleta é permanente. A coleta é realizada no Instituto Médico-Legal (IML) – na avenida Prefeito Sapucaí, 108, centro – ao lado do Hospital das Clínicas Samuel Libânio.

A iniciativa é feita em parceria com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Ela propõe ampliar a busca de pessoas desaparecidas, com apoio da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG).

As coletas também ocorrem nos IML de Belo Horizonte, e nos Postos Médico Legais das seguintes cidades: Betim, Vespasiano, Juiz de Fora, Uberaba, Lavras, Divinópolis, Governador Valadares, Uberlândia, Patos de Minas, Montes Claros, Ipatinga, Barbacena, Curvelo, Teófilo Otoni, Unaí, Poços de Caldas e Sete Lagoas.

PróximoAnterior

Segundo o superintendente de Polícia Técnico-Científica (SPTC), médico-legista Thales Bittencourt, a coleta de material genético de familiares de desconhecidos já é feita pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) há alguns anos.

“Nos próximos dias, a PCMG, integrando a campanha promovida pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, fará um mutirão de coleta do material genético desses familiares, que é inserido em um banco de dados nacional”, afirma. No mesmo banco, segundo ele, também estão inseridos materiais genéticos de desconhecidos. Com a identificação, será possível dar “respostas aos familiares, auxiliando ainda em questões civis e criminais”, informa.

De acordo com a chefe da Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida, delegada Bianca Landau, o Dia Internacional das Crianças Desaparecidas é uma data muito oportuna para trazer à luz questões relevantes em relação ao desaparecimento não só de crianças, mas de adolescentes e adultos. “Há dois pontos muito importantes a serem destacados. Em primeiro lugar, os familiares de pessoas desaparecidas não devem esperar 24 horas para registrar o desaparecimento; quanto antes essa ocorrência for registrada, mais chances de resolutividade do caso”, orienta.

O segundo, conforme Bianca, é a necessidade de registro da localização da pessoa que se encontrava desaparecida. Logo que for encontrada, ela ou um familiar de primeiro grau deve se dirigir a uma unidade da Polícia Civil ou Militar e, então, registrar essa localização, para que seja possível cessar a divulgação de dados e imagem, entre outras ações.

Em caso de desaparecimento no interior, a competência investigativa é da delegacia de onde o fato ocorreu. Todas as unidades da PCMG, de comarcas, municípios ou regionais, no interior, têm atribuição para investigar os casos de desaparecimento locais.