PousoAlegrenet

Menu

Vítimas da queda de helicóptero em Espírito Santo do Dourado ainda não foram localizadas

A suspeita é que na aeronave estavam pelo menos duas pessoas: o piloto Luiz Gustavo Soares, e o empresário Márcio Bissoli

Vítimas encontradas: Link

Foto: Corpo de Bombeiros

O corpo de bombeiros ainda não encontrou às vítimas do acidente com o helicóptero que caiu na noite deste sábado (16) em Espírito Santo do Dourado (MG). De acordo com os bombeiros, ainda não se sabe ao certo o número de vítimas. Nenhuma vítima foi localizada até a manhã deste domingo (17).

Segundo a ANAC, o plano de voo prevê quatro pessoas. Mas segundo a esposa do piloto, na aeronave estavam apenas duas pessoas: o piloto Luiz Gustavo Soares, e o empresário Márcio Bissoli.

Marcio Bissoli (Foto: Reprodução Instagram)

Piloto Luiz Soares (Foto: Redes Sociais)

A reportagem do PousoAlegrenet esteve na manhã deste domingo (17) no local. Familiares das vítimas não quiseram falar com a imprensa.

Segundo os bombeiros, a esposa do piloto, Juliana Hipólito, que também é piloto de aeronave, acredita que os tripulantes possam ter saltado do helicóptero antes do choque com o morro.

De acordo com o capitão Ivan Neto, os bombeiros realizam buscas na região desde a noite do sábado. Também não foi descartada a hipótese de que os corpos estejam em baixo do escombros da aeronave, que ainda não foram removidos.

O acidente

O helicóptero caiu na área rural de Espírito Santo do Dourado, na região Sul de Minas Gerais, na noite deste sábado (16). O acidente foi às margens da MG–179, em região de difícil acesso, onde não há sinal de telefonia celular nem de rádio.

Conforme os dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave é do grupo de mineração Bauminas. Segundo informações da Central de Controle de Voo de Brasília (DF), a aeronave decolou de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, com destino ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo (SP).

O último contato do piloto foi informando problemas mecânicos e dificuldades para pouso. Ele não chegou a acionar o código de emergência porque, logo que declarou a situação, reportou que estava caindo e desapareceu do radar, segundo informação recebida pelo supervisor da região de São Paulo.

Moradores da região avistaram fogo na aeronave e acionaram os bombeiros às 19h40. O acidente foi confirmado pelos primeiros militares que chegaram ao local da queda, um morro com cerca de 200 metros de altura. Outras duas equipes também participaram dos trabalhos.

Até o momento desta publicação não há registros de sobreviventes. As equipes de buscas estavam rastreando o entorno do local do acidente para localizar as vítimas. O incêndio se propagou para a mata, mas foi controlado pelos bombeiros.

O acidente vai ser investigado pelo Centro Regional de Investigações e Prevenções de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Helicóptero

A aeronave, prefixo PR-JMB, está alienada por uma instituição bancária e, de acordo com o Registro de Aeronavegabilidade Brasileiro (RAB), era operada pela Brauminas Logística e Transporte. Anteriormente, o Grupo JBS, era o operador, mas teria arrendado o aparelho, cuja sigla do prefixo JMB seria relativo ao nome do empresário Joesley Mendonça Batista.

O empresário

Uma das vítimas, Márcio Bissoli é dono de 18 empresas, sendo 16 deles em Minas Gerais. Um dos empreendimentos é o Marplan, responsável por condomínios de altíssimo luxo. Ele também tem investimentos em São Paulo e na Bahia. Márcio Bissoli também é CEO do grupo de mineração Brauminas.