PousoAlegrenet Logo PousoAlegre.net

Menu 11 anos
PróximoAnterior

Suspeita de aliciar pouso-alegrense presa com drogas na Tailândia é solta após pagar fiança

Juíza disse que não há indicios de que Camila Raposo Broca, presa desde o dia 5, ocupe posição hierárquica relevante no esquema. Segundo advogado, ela tem dois filhos pequenos, trabalha com carteira assinada em escola de idiomas e em restaurantes

PróximoAnterior
Reprodução Câmeras de segurança

A mulher suspeita de aliciar uma pouso-alegrense e dois paranaenses presos com drogas na Tailândia foi solta neste sábado (21) após pagar dois salários mínimos de fiança. Camila Raposo Broca foi presa preventivamente pela Polícia Federal no dia 5 de maio. Ela aparece nas câmeras de segurança levando Mary Hellen e outro paranaense ao aeroporto.

A decisão que revogou a prisão preventiva é da Juíza Sandra Regina Soares, da 9ª Vara Federal de Curitiba. “Muito embora a quantidade de entorpecentes apreendidos seja significativa, bem como o modus operandi indicar a atuação de articulada organização criminosa, por ora, não há elementos que indiquem que a acusada ocupa posição hierárquica relevante no esquema delituoso, de modo que sua liberdade atualmente não representa perigo à ordem pública”, pontua a juíza.

PróximoAnterior

Segundo a decisão, Camila não tem antecedentes criminais. Ela deverá comparecer mensalmente a justiça e nos atos dos processsos, não se ausentar por mais de oito dias da sua residência, e não poderá frequentar aeroportos ou similares.

O PousoAlegrenet conseguiu contato com o advogado Vinicius Monteiro Schenfeld França, que representa Camila. Segundo o advogado, Camila tem dois filhos pequenos, paga aluguel, trabalha há dois anos com carteira assinada em uma escola de inglês, e nos finais de semana trabalha por gorjetas em restaurantes para complementar a renda. “Ao longo do procedimento de investigação, a Defesa irá demonstrar que Camila nunca atuou como aliciadora de jovens para a prática de tráfico transnacional”, disse o advogado.

A pouso-alegrense Mary Hellen foi condenada a 9 anos e 6 meses de prisão na Tailândia.